HISTÓRIA DE ARAGUAÍNA

História

Compreendido na região entre os rios Lontra e Andorinhas, o território de Araguaína foi ocupado, primeiramente, por tribos da etnia Carajás. Mas foi em 1876 que os primeiros migrantes chegaram no norte tocantinense. João Batista da Silva e família, oriundos da cidade de Paranaguá, no estado do Piauí, fixaram moradia na margem direita do Rio Lontra. Inicialmente o pequeno povoado passou a se chamar “Livra-nos Deus”. Ainda no mesmo ano, outras famílias mudaram-se para a localidade, aumentando e mudando o nome do povoado para Lontra, em referência ao rio que mostrou-se de grande utilidade para o desenvolvimento da região.

Emancipação

O município de São Vicente do Araguaia – atual Araguatins – foi o primeiro a administrar o povoado Lontra. Anos depois, a localidade passou a pertencer a Boa Vista do Tocantins, hoje Tocantinópolis. Esse domínio durou pouco tempo, pois em 1948 o povoado de Lontra passou a ser administrado pelo recém-criado município de Filadélfia, momento este que ocasionou a mudança do nome para Povoado Araguaína – em homenagem ao Rio Araguaia.

Em consequência do rápido desenvolvimento do povoado, este foi elevado à categoria de Distrito com o nome de Araguaína, por meio da lei Municipal nº 86, de 30 de setembro de 1953. No entanto o contínuo desenvolvimento da localidade culminou o processo criação do município de Araguaína, através da Lei Municipal nº 52, de 20 de julho de 1958, que autorizou o desmembramento do distrito. E no dia 14 de novembro de 1958, a Lei Estadual nº 2.125 decretou a criação do município de Araguaína.

Hoje Araguaína conta com basicamente 11% das empresas existentes no estado do Tocantins. Desse total a atividade comercial registra 46,79%, dos estabelecimentos e, prestadoras de serviços com 44,5%. O setor industrial é caracterizado por fábricas com fins agropecuários, como frigoríficos de grande porte. Na atividade pecuária, o Município possui hoje um dos maiores rebanhos do Estado, sendo o gado bovino mais expressivo na economia.

O significado dos nomes

Com a criação do Município de Filadélfia, pela Lei Estadual nº 154 de 8 de outubro de 1948, cuja instalação ocorreu em 1º de janeiro de 1949, o povoado Lontra passou a integrar-lhe. No mesmo ano sua denominação foi mudada para Povoado Araguaína, nome cuja etnologia provém de araguaia, em homenagem ao rio Araguaia, que serviria posteriormente de limite entre o Município de Araguaína e o Município de Conceição do Araguaia, Estado do Pará.

Crescimento

O desenvolvimento econômico-social do município começou efetivamente a partir de 1960, com a construção da rodovia Belém-Brasília. No período de 1960 a 1975, Araguaína atingiu um estágio de desenvolvimento sem precedentes na história do Estado de Goiás, tornando-se a quarta maior cidade do estado de 1980 a 1986, perdendo somente para Luziânia, Anápolis e Goiânia.

Com a criação do estado de Tocantins, em 1989, Araguaína tornou-se a maior cidade do Estado e pretensa capital. A escolha não aconteceu por causa de fatores geográficos, sociais e políticos, mas o município ganhou o título de Capital Econômica do Estado, sendo atualmente a principal força econômica do Tocantins.

Economia

No início, os primeiros colonizadores cultivaram cereais básicos para a subsistência das famílias. Já a implantação da cultura do café aconteceu com vistas ao lucro e tornou-se a atividade predominante. Contudo, a lavoura foi abandonada devido às dificuldades de escoamento da produção. A ausência de vias terrestres para o transporte foi o principal motivo.

Após a implantação da rodovia Belém-Brasília, a economia do Município começou a desenvolver-se com dinamismo, apoiada nas atividades do setor primário, basicamente a pecuária.

Atualmente, Araguaína é a Capital do Boi Gordo, e conta com o forte comércio de três frigoríficos de referência nacional sendo o Bertin, o Minerva e o Boiforte.

É cercada de grandes, médias e pequenas fazendas, que impulsionam o desenvolvimento econômico da cidade através da agricultura e da pecuária, havendo diversas casas veterinárias e açougues. Também há a instalação de faculdades na cidade que impulsionou, nos últimos tempos, a iniciativa privada na construção civil.

Dados sobre o município de Araguaína

O território do Município apresenta relevo de modo geral bastante variado. A maioria das terras de Araguaína se localiza na Bacia Hidrográfica do Rio Araguaia, onde a vegetação é composta por 60% de matas (Floresta Amazônica), 20% de floresta de transição com a ocorrência de palmeira babaçu e, os outros 20% compostos de cerrados ou chapadas, interrompidas por matas ciliares de encostas. A Bacia Hidrográfica constituem um dos principais pontos turístico do Município

Área: 3.920,01 km²

Altitude: 277 metros

Localização: Região norte do Estado do Tocantins (7º 11’28” de latitude, 48º12’ e 26” de Longitude)

Relevo: Planalto, com presença de grandes elevações. A altitude média dos morros é de 100 a 300 metros.

Clima: Tropical Úmido.

Temperaturas médias: Máxima – 32º / Mínima – 20º

Pluviometria: Estação definida de chuvas entre os meses de novembro e maio e período de estiagem de junho a outubro.

Precipitação anual acima de 1.700 milímetros.

Vegetação: Mista, com características de cerrado, matas ciliares e matas tropicais.

Hidrografia: Bacia Hidrográfica do Rio Araguaia e seus afluentes, entre eles, destaque para o Rio Lontra.

Os principais córregos que cortam a cidade são o Lavapés, Prata, Neblina, Raizal, ribeirão de Areia, Xixebal, Cará, Jacubinha, Tiúba e o Jacuba.

Limites territoriais: Norte – Santa Fé do Araguaia, Muricilândia, Carmolândia e Aragominas; Sul – Pau D’arco, Arapoema e Nova Olinda; Leste – Wanderlândia e Babaçulândia; Oeste – Estado do Pará.

Distâncias Rodoviárias: Palmas – 393 km Goiânia – 1165 km Brasília – 1067 km Imperatriz (MA) – 257 km Marabá (PA) – 312 km